16 de outubro de 2017

A SEMADERS

 

Conheça a Secretaria de Missões pertencente às Assembleias de Deus no Estado do Rio Grande do Sul

A SEMADERS

http://www.semaders.com.br/

A secretaria de missões SEMADERS, é um órgão da CIEPADERGS (Convenção das Igrejas Evangélicas e Pastores da Assembleia de Deus no Estado do Rio Grande do Sul) responsável pela promoção do trabalho missionário em todos os aspectos. com as seguintes atribuições estatutária:
1. Promover a obra missionária nos termos deste Estatuto;
2. Realizar simpósios, congressos e palestras de treinamento e incentivo às missões;
3. Assistir as igrejas quanto ao envio de missionários, orientando-as e treinando seus missionários, quando solicitada.
4. Prestar relatório financeiro e de suas atividades nas sessões da Assembleia Geral Ordinária.
5. A eleição e posse da Coordenação da Secretaria de Missões obedecerão aos mesmos critérios adotados para a Diretoria.

http://www.semaders.com.br/

9 de outubro de 2017

O deserto é necessário

 

Quão difícil é para alguém que tem o chamado missionário e depois ter que experimentar todas as contradições da cultura, do ambiente, da alimentação, no campo de trabalho para onde foi, longe de casa. Melhor seria se fosse ter experimentado os seus amargos momentos com antecipação. Que tivesse já sofrido o que poderia sofrer quando estivesse longe. 
Paulo sofreu, antes, nos desertos da Arábia. Quando de partida para o trabalho missionário, ele já estava calejado. Os lugares por onde passou já não foram tão crueis.  
Veja como é importante essa questão dos desertos. São difíceis. Porém necessários.

O deserto realça o sabor do que é bom. O deserto afina a alma tornando-a leve. O deserto tira as cascas. O deserto faz tremer para temer. O deserto arranca orações sentidas. O deserto faz louvar. O deserto ensina o que é fome e o que é sede. O deserto valoriza o pouco que se pode ter. O deserto valoriza as poucas sementes. O deserto valoriza todos os centavos. O deserto despe do egoísmo, da arrogância, da prepotência. O deserto aplaina a exaltação humana e o que é humano torna humilde. O deserto tira a pressa do apressado e põe passos lentos e confiantes. O deserto tira a força do apressado e fá-lo andar calma e perseverantemente. O deserto cria bons costumes, como: subir o monte da oração, sofrer o calor da perseguição, enfrentar o frio da indiferença e rejeição (Isac). 

8 de outubro de 2017

Projeto Tenda do Resgate


Em 1997, na cidade de Canoas, RS, nascia no coração do irmão Elton Diss um desejo muito forte de alcançar através do Evangelho pessoas perdidas e destituídas da sociedade.

Então, em conjunto com um grupo de jovens sob sua liderança inicia-se uma série de cultos em praças públicas, onde Deus manifestava sua presença, encorajando-os a seguir com este trabalho ampliando as fronteiras do Reino e levando o Evangelho até aqueles que ainda não conheciam o amor de Jesus.

Em 17 de setembro de 2001 é inaugurada então a Tenda do Resgate, fruto de uma visão dada ao irmão Elton e sua esposa irmã Carla, despojando-se então de seus interesses pessoais, partiram para o campo, dando início ao trabalho evangelístico ao qual dedicam suas vidas até os dias atuais.

Assim com o passar do tempo crendo em sua chamada e praticando-a, foi adquirida com recursos próprios uma tenda onde, na primeira cruzada, Deus operou muitos milagres salvando e libertando muitas almas confirmando assim o início de um grande projeto de Deus em suas vidas.

(do site Tenda do Resgate)

O Pr. Elton fez esse trabalho com a tenda aqui em Vacaria, no bairro Barcelos, nos últimos dias 5, 6 e 7 de outubro (2017), e esteve pregando no culto de hoje (dia 8) no templo sede, onde contou seu testemunho acerca do projeto Tenda do Resgate, um projeto missionário de pregação do Evangelho e milagres.

Deus abençoe o Pr. Elton e essa maravilhosa obra de Deus!



 

24 de setembro de 2017

João Hyde, Missionário na Índia

(extraído d"O Homem que Orava")

No Tabernáculo de Moisés havia um compartimento tão sagrado que só um homem, entre todos milhares de Israel, podia nele entrar e somente durante um dia de todos os trezentos e sessenta e cinco do ano. Esse compartimento era o Santo dos Santos.

O lugar onde João Hyde se encontrava com Deus era, também, terra santa. As cenas da sua vida são demasiadamente sagradas para os olhos comuns e hesito em relatá-las aqui. Mas ao lembrar-me de Jacó no vale de Jaboque, de Elias no Carmelo, Paulo em agonia espiritual por Israel e, especialmente, o Querido Homem no Jardim, então sinto que estou dirigido pelo Espírito de Deus para relatar as experiências desse homem de Deus, para admoestação e inspiração, Deus o permita, de milhares de pessoas.

Coloquemo-nos, pois, ao lado do quarto de oração de João Hyde, onde nos é permitido ouvir suspiros, sentir os gemidos e contemplar o querido rosto, banhado, repetidamente, de lágrimas. É aí que podemos mirar o corpo enfraquecido depois dos dias que passara sem comer e as noites sem dormir. E aí, que, entre soluços, o ouvimos implorar com insistência: “Ó Deus, dá-me almas ou morrerei!”.

15 de agosto de 2017

Projeto Bolívia dos GMUH

O Pr. Cesino Bernardino foi muito usado por Deus para a realização da obra missionária no Brasil e no mundo através de lindos projetos que marcaram, sem dúvida alguma, muitos de nós. Dentre os projetos, o Projeto Bolívia tem um destaque todo especial. Assista-o!


7 de julho de 2017


NO MEIO DE BOAS SURPRESAS!




A autêntica obra missionária tem suas agradáveis surpresas. Uma das coisas boas que experimentei quando eu precisava de algo muito importante nos Cursos de Evangelização Ide (Cevide), foi uma oferta que recebi de um leitor do site Cevide.org. O Cevide já havia distribuído muitos e muitos cursos O Caminho da Vida e A Estrela na Janela (adultos e crianças) ao longo de vários anos. Até então não havia, contudo, uma capinha colorida para o curso O Caminho da Vida, que pudesse dar melhor aparência e agradabilidade aos estudos que pessoas interessadas na Palavra de Deus faziam. Foi então que num determinado dia, ao entrar no banheiro de nossa casa, com um desejo imenso em meu coração, fiz uma oração a Deus, pedindo ao Senhor um valor em dinheiro para mandar imprimir as capas coloridas. Horas depois, fui olhar meus emails. Para minha surpresa, lá estava uma mensagem de um leitor de Cevide.org, do Estado de São Paulo, dizendo da sua apreciação ao conteúdo do site e que se sentia tocado por Deus a doar uma oferta especial para os trabalhos do Cevide. Isto me surpreendeu muito. Pude notar o cuidado de Deus para com aquilo que eu estava fazendo. Veja, com aquela oferta, pude imprimir duas mil e quinhentas capas coloridas, de fino acabamento, e ainda imprimir dez mil folhetos, para evangelização. Não seria necessário dizer, que nossas mensagens tem alcançado muitas pessoas no Brasil, e até fora, o que tem me alegrado, e muitos agradecimentos a Deus, no meio de boas surpresas!

Isac Rodrigues

4 de julho de 2017

CRUZADA MUNDIAL DE LITERATURA


A Cruzada Mundial de Literatura é uma organização evangélica interdenominacional que tem como objetivo cumprir o mandamento de Jesus em Mc 16.15. A Cruzada crê que a maneira mais prática de cumprir o mandamento de Jesus é pregando o evangelho na forma de folhetos, em cada casa, em cada rua, em cada vila, povoado ou cidade - até que "toda criatura" tenha recebido a mensagem do amor de Deus.

A CML opera em mais de 170 países, inclusive alguns do mundo marxista e outros de maioria muçulmana. Todo o trabalho é coordenado pelo escritório central em Colorado Springs (Estados Unidos). No Brasil a sede está em São José dos Campos, SP, de onde a Cruzada procura irradiar o trabalho por todo o território brasileiro. Uma característica da Cruzada é o uso de obreiros nacionais em cada país. Ela não envia missionários. Todo esse ideal nasceu no coração do pastor canadense, Jack McAlister, em outubro de 1946. Do Canadá a sede da Cruzada transferiu-se para os Estados Unidos. No Brasil, o trabalho foi estabelecido em 4 de novembro de 1963.

FOLHETOS - Não há necessidade de exaltar o valor da página impressa na obra da evangelização. O que está impresso poderá ser lido várias vezes, por muitas pessoas, em diferentes ocasiões e lugares; poderá ser lido por surdos e ouvido por cegos. Os folhetos procuram atingir adultos, crianças, estudantes, doentes, encarcerados, etc., levando-lhes, a mensagem do amor de Deus em Cristo de forma específica e interessante.



A distribuição dos folhetos é feita basicamente pelas igrejas, as quais, sob incentivo e supervisão da Cruzada, organizam equipes que fazem a cobertura dos bairros e cidades. A Cruzada trabalha com todas as igrejas evangélicas. 0s folhetos são oferecidos gratuitamente às igrejas localizadas em regiões pioneiras (ainda não cobertas pela Cruzada), e a preço de custo às igrejas situadas em regiões já alcançadas pela Cruzada, mas que por iniciativa própria pretendem fazer uma segunda cobertura. Em áreas onde não há igrejas ou onde estas não queiram fazer a distribuição, a Cruzada envia, na medida de seus recursos financeiros, obreiros remunerados para fazerem o trabalho. Esses obreiros são chamados de Cruzados Pioneiros, Semeadores e Promotores.

CURSOS BÍBLICOS - A Cruzada Mundial de Literatura procura acompanhar o novo decidido na sua nova vida. Para isso mantém cursos bíblicos por correspondência para adultos e crianças, procurando assistir com alimento básico todos os que aceitam a Cristo. Os cursos são apresentados em linguagem simples e ao alcance da maioria do povo. Mesmo pessoas já crentes e até professores e obreiros das igrejas, se beneficiam estudando a Palavra de Deus por meio deles. Um certificado ou diploma é dado aos que completam qualquer dos cursos.



CRUZADA DE ORAÇÃO - A obra de Deus há de ser feita sob muita oração para que o Espírito Santo atue nos corações das pessoas que serão evangelizadas. Em todos os países onde a Cruzada está presente, irmãos em Cristo, das várias igrejas evangélicas, se propõem a orar diariamente em favor desse trabalho. O Jornal de Oração é o periódico que transmite as notícias do que vai sendo realizado no Brasil e no mundo por meio da CML.



Endereço para correspondências: 
Cruzada Mundial de Literatura
Caixa Postal, 301
São José dos Campos, SP
CEP 12201-970
site: www.cruzadamundial.org.br

Veja também neste blog:
http://paginasmissionarias.blogspot.com.br/2010/05/cruzada-mundial-de-literatura.html

9 de maio de 2017

Seja um missionário


Na convocação de Jesus, quanto a sua responsabilidade, ninguém está de fora (João 20-21b). Jesus enviou a todos, pois somos salvos com a mesma graça (Judas 5). Como disse Paulo: “Sou devedor a judeus e a gregos…” (Rm. 1: 16). É a Igreja que tem que realizar as obras de Deus. São os líderes que devem oportunizar a todos, reconhecer os que têm um chamado específico (Romanos 10:14-15) e enviá-los ao campo.

Portanto não fique de fora, como um mero espectador. Não se contente apenas em ir morar no céu. Muitos cristãos estão se portando assim. Não chegue lá de mãos vazias. Permita que alguém seja salvo por teu serviço. Pois quem ganha almas, sábio é (Prov. 24:11). Portanto anime-se e faça algo para Deus.

Se estás lutando e tudo parece difícil, ainda que perca alguma batalha, perca lutando. Deus te chamou para fazer missões e você pode fazer sim.

Veja algumas sugestões de como você pode fazer missões

Através da oração – Isto você pode fazer sempre. Na Igreja, na casa, no escritório, no local de serviço, andando, dirigindo… Esteja sempre intercedendo pela obra missionária e por mais obreiros (Mt. 4:35-38).

Através de contribuição – Participe do projeto missionário de sua igreja. Se ela não tem, procure contribuir com alguém. Existem muitos organismos agenciadores de missionários que são muito sérios e que precisam de sua oferta. Adote uma família de missionários ou um filho de um missionário. Vista ou calce ele. Presenteie no Natal, com material escolar etc. Convide ele para uma visita em sua casa.

Visita no campo – Se estás trabalhando e ainda não se aposentou, com certeza, anualmente você tira férias. Os aposentados têm todo o tempo do mundo. Porque não faz uma visita? Venha ter sua própria experiência. Visite primeiro um país da América do Sul, mais próximo. Depois, programe-se para visitar outro país mais distante. Talvez em outro continente.

Traga sua família. É importante que eles visitem o campo também. Se é um líder de um campo ou de um setor, uma congregação ou até de um departamento de seu ministério, organize uma excursão. Tudo vai mudar em sua vida depois desta experiência.

Profisionalmente – Apoie atuando na profissão que você exerce (exemplo: construtor, artesão, na área de saúde; eletricista, técnico de informática, engenheiro…). Com certeza há algum missionário, igreja ou família que precisa da sua ajuda.

Indo para ficar um tempo – Os chamados são distintos. Muitos vão e até não retornam mais. Outros ficam bastante tempo. 7, 10, 15 anos ou até mais. Quem sabe Deus esteja chamando você para ficar um tempo menor? 1 mês, 6 meses, 1 ano, 2 anos… Período em que você será de grande benção no apoio ao campo missionário. Exemplo: se você é um músico ou um ministro de louvor, quem sabe você pode ser um professor? Na base da AMIPOL, em Asunción, precisamos da ajuda destes ministérios.

Conscientização e Motivação Missionária – Às vezes queremos fazer algo, mas nos perguntamos: porque isto ainda não começou? Falta de oportunidade? Até pode ser…. O inimigo da obra missionária “Satanás”, por certo fará tudo para lhe manter parado e colocará muitas barreiras para que seu projeto não tenha êxito e não saia do papel. Ou então para que seja apenas algo muito pequeno, sem expressão em sua igreja, de forma que os recursos nem cheguem ao campo missionário, e quando chegam, chegam de uma forma errada, às vezes investindo em vidas erradas, projetos infrutíferos e terras que não dão frutos.

Nos sentiremos honrados em ter a oportunidade de compartilhar nossas experiências de anos no campo missionário, com o acompanhamento de obreiros autóctones nacionais.
Através de uma de nossas equipes, podemos ajudá-lo na motivação missionária em sua igreja.

Fonte:
https://amipol.wordpress.com/2008/09/16/seja-um-missionario/

17 de março de 2017

Gunnar Vingren e Daniel Berg: os pioneiros das Assembleias de Deus



Da Suécia para os Estados Unidos e daí para o Brasil

Gunnar Vingren e Daniel Berg nasceram em uma época difícil na história da Suécia. Entre 1867 e 1886, quase 450 mil suecos deixaram o país por causa da escassez de alimentos e de empregos. A maioria imigrou para o meio-oeste dos Estados Unidos.

Era a chamada “febre dos Estados Unidos”. Embora a situação tivesse melhorado, Daniel viajou para lá em 1902, com 18 anos, e Gunnar, no ano seguinte, com 24. Os dois se conheceram em uma igreja sueca em Chicago, no ano de 1909, dez anos depois da morte do famoso evangelista Dwight L. Moody, que viveu naquela cidade. A essa altura, Gunnar já tinha feito teologia em um seminário batista sueco e pastoreava uma igreja em Menominee, no Michigan, e Daniel trabalhava em uma quitanda em Chicago. Em uma conferência realizada na Primeira Igreja Batista Sueca de Chicago, Gunnar passou pela experiência do chamado batismo com o Espírito Santo e falou em línguas. A partir daí, começou a pregar a doutrina pentecostal; porém, metade da igreja de Menominee não o quis mais como pastor. Assumiu, então, o pastorado de outra igreja batista sueca, dessa vez em South Bend, na fronteira de Indiana com Michigan, e a transformou em uma igreja pentecostal. Uma de suas ovelhas era Adolf Ulldin, que, pouco depois, anunciou-lhe o que ouvira da parte de Deus a respeito de seu ministério além-mar. Por inspiração do Espírito Santo, Daniel foi visitar Gunnar em South Bend e ali ouviu a mesma profecia, que também foi dirigida a ele. Em obediência à orientação recebida, ambos viajaram para Nova York e lá encontraram, de fato, o navio Clement, que sairia na data indicada por Adolf: 5 de novembro de 1910. Por falta de recursos, compraram uma passagem de terceira classe. Duas semanas depois, com miseráveis 90 dólares no bolso, desembarcaram em Belém do Pará, sem saber uma palavra em português e sem alguém para recebê-los no porto. Assim começou a obra das Assembleias de Deus no Brasil.

Verão de janeiro a dezembro

Enquanto as denominações protestantes históricas começaram seu trabalho na região Sudeste (congregacionais, presbiterianos, metodistas e salvacionistas), no Rio Grande do Sul (luteranos e episcopais) e na Bahia (batistas), a Assembleia de Deus começou no extremo Norte do país. Os missionários pioneiros eram todos suecos, ao contrário do que acontecia da Bahia para o Sul, onde quase todos eram americanos e britânicos.

O Pará é 2,7 vezes maior que a Suécia, que tinha, na época, mais de 5,5 milhões de habitantes. Em vez das precisas quatro estações, com as quais estavam acostumados, Gunnar e Daniel encontraram aqui um verão contínuo. Na Suécia, eles adoravam participar da festa que celebrava a volta do verão, entre os dias 19 e 26 de junho, dançando a noite toda ao redor de mastros com enfeites coloridos. Os dois jovens missionários chegaram ao Pará exatamente quando começou o declínio da economia na Amazônia, devido à queda da produção de borracha, provocada pelos mercados asiáticos.

Gunnar e Daniel eram muito diferentes no aspecto físico e nos dotes pessoais. Cinco anos mais jovem, Daniel tinha muita saúde e resistência física. Era “um ganhador de almas incomum”, como diz Geziel Gomes. Praticava com sucesso a colportagem (venda de Bíblias) e o evangelismo pessoal de casa em casa, quase de ilha em ilha, e “de enfermaria em enfermaria”, quando já tinha 78 anos e estava internado em um hospital na Suécia. Além da mala cheia de Bíblias e folhetos, carregava sempre o violão, ao som do qual cantava hinos em português e em sueco para evangelizar. Em compensação, Gunnar era mais preparado e se tornou, naturalmente, o líder do trabalho. Ele era quem mais pregava, quem mais batizava e quem ia consolidando e ampliando a obra com a organização de novos pontos de pregação e congregações. Morreu trinta anos antes de Daniel, quando faltava um mês e meio para completar 54 anos.

“A mensagem completa do evangelho”

Os missionários evangélicos do século 19 foram, em parte, beneficiados pela chamada pré-evangelização, realizada pela Igreja Católica Romana nos 300 anos anteriores à sua chegada ao Brasil (de 1549 a 1855). Os missionários pentecostais foram muito beneficiados pela evangelização realizada pelos missionários evangélicos nos 55 anos anteriores ao início de seu trabalho (de 1855 a 1910). Em alguns poucos casos, o trabalho das Assembleias de Deus começava com a pentecostalização de uma igreja evangélica já existente, como aconteceu com a Igreja Batista Sueca de South Bend, no início de 1910. Em outros casos, começava com alguns crentes que deixavam suas congregações de origem para abraçar a “novidade” pentecostal. Foi o que aconteceu em Belém do Pará e em muitos lugares por esse Brasil afora, especialmente nos primeiros anos. Todavia, a maior parte da membresia das Assembleias de Deus procedia das trevas da ignorância religiosa e das trevas do pecado e da incredulidade.

Gunnar Vingren, Daniel Berg e a geração de pastores nacionais que surgiu com eles não anunciavam apenas Jesus. Pregavam “a salvação em Jesus e o batismo com o Espírito Santo”. Esta era “a mensagem completa do evangelho”. Tal pregação certamente encontrava guarida entre os cristãos que, à semelhança dos discípulos de Éfeso, nem sequer sabiam da existência do Espírito Santo (At 19.2), por culpa da omissão de seus pastores. Encontrava guarida também entre os cristãos cujos pastores atribuíam toda honra ao Espírito Santo sem, contudo, usar a nomenclatura teológica dos pentecostais.

O folheto de 27 páginas de Raimundo Nobre 

Por certo período houve muito desgaste emocional e de tempo por causa do atrito entre as denominações plantadas na segunda metade do século 19 e as Assembleias de Deus. Houve atitudes precipitadas, exageros e falta de amor de ambas as partes. O encarregado da congregação batista de Belém, Raimundo Nobre, acolheu os dois suecos no porão de sua casa e permitiu a participação deles nos cultos, o que redundou na divisão da igreja. Aborrecido e preocupado com a situação, Raimundo escreveu um folheto de 27 páginas contra a pregação de Gunnar e Daniel, e mandou imprimir 20 mil exemplares, que foram enviados para as igrejas evangélicas de todo o Brasil. Gunnar ensinava que a prova do batismo com o Espírito Santo era falar em línguas. Anos depois, a declaração de fé oficial das Assembleias de Deus amenizou a questão, afirmando que falar em outras línguas conforme a vontade soberana de Deus é evidência do batismo com o Espírito. Da parte dos pentecostais, havia muita ênfase em línguas, revelações, curas e milagres. Daniel chamou de milagre o fato de um peixe ter pulado para dentro do barco quando os passageiros estavam com muita fome.

Cem mil batizados em 36 anos

A primeira igreja pentecostal foi organizada há exatos cem anos, em 18 de junho de 1911, seis meses depois da chegada dos dois suecos ao Pará, com o nome de Missão da Fé Apostólica, o mesmo nome dado por William Seymour à igreja da rua Azuza, em Chicago, cinco anos antes. O nome Assembleia de Deus foi adotado seis anos e meio depois, em janeiro de 1918.

Nenhuma denominação evangélica experimentou um crescimento tão rápido e tão grande como as Assembleias de Deus. Nos quatro primeiros anos (1911-1914) houve 384 batismos “nas águas”. No final da primeira década, a nova denominação estava estabelecida em sete estados das regiões Norte (Pará e Amazonas) e Nordeste (Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco e Alagoas). Na década de 20, os assembleianos ocuparam os demais estados do Norte e Nordeste e começaram o trabalho nas regiões Sudeste (Espírito Santo, Rio de Janeiro e Minas Gerais) e Sul (Paraná e Rio Grande do Sul). Em 33 anos de história (de 1911 a 1944), já estavam instalados em todos os estados da Federação. Na ocasião da 8ª Convenção Nacional das Assembleias de Deus, realizada em São Paulo, em 1947, o Brasil já era contado como o terceiro país em número de crentes pentecostais em todo o mundo, com 100 mil fiéis batizados.

Gunnar Vingren e Daniel Berg

16 de março de 2017

MINISTÉRIOS PÃO DIÁRIO


O ano de 1938 marcou o início de uma grande história para Ministérios Pão Diário. Há mais de 75 anos, um homem de fé começou um programa de rádio chamado Escola Bíblica de Detroit, em Michigan, EUA, para compartilhar palavras sábias e de valor eterno.

O doutor M. R. DeHaan passou a transcrever suas mensagens, a pedido dos seus ouvintes que as usavam como material de estudo. Hoje, anos mais tarde, esta iniciativa ainda alcança inúmeras pessoas ao redor do mundo, servindo com recursos bíblicos, em 57 idiomas e em 156 países.

No Brasil, a tradução e distribuição são feitas desde 1980. Contudo, o escritório foi inaugurado em 2001 e a partir dele, cooperamos com mais 10 países: Argentina, Colômbia, Peru Honduras, México, Jamaica, Guiana, Trinidad e Tobago, Portugal e Espanha.

É SOBRE A FIDELIDADE DE CRISTO… E VOCÊ!
Por mais de 75 anos, temos testemunhado a fidelidade divina na missão de Ministérios Pão Diário. E sabemos que é só por meio de sua cooperação, de sua família, amigos, sua igreja e seu apoio que temos podido compartilhar as boas-novas do amor, graça e perdão de Deus, em todo o mundo.


12 de março de 2017

No culto de manhã tivemos a visita de um representante da Missão Portas Abertas, que falou sobre a situação da Igreja Perseguida no mundo. O trabalho da Missão Portas Abertas é uma grande inspiração de Deus!

O Contrabandista de Deus!

Irmão André, o fundador:



6 de março de 2017

REVIRANDO MINHAS FOTOS...



Revirando minhas fotos achei essa surpresa aí: missionários Adilson e Vilma vindos do Paraná, passando por aqui, em direção a Patagônia! Quase no final do ano passado. Uma história de fé, coragem. Tirei as fotos e estou postando aqui. Bem assim!



É onde eles moram. É a casa deles!


Cozinha


Quarto


Banheiro


Entrada


Fica aqui o registro. Também o pedido de oração e cooperação!




28 de fevereiro de 2017

MISSÕES NAS EPÍSTOLAS DE PAULO

Verbete 827

1. Rm 1.5: Pelo qual recebemos a graça e o apostolado, para a obediência da fé entre todas as gentes pelo seu nome.

Rm 1.14,15: Eu sou devedor, tanto a gregos como a bárbaros, tanto a sábios como a ignorantes. E assim, quanto está em mim, estou pronto para também vos anunciar o evangelho, a vós que estais em Roma.

2. Rm 10.12-15: Porquanto não há diferença entre judeu e grego; porque um mesmo é o Senhor de todos, rico para com todos os que o invocam. Porque todo aquele que invocar o nome do Senhor será salvo. Como, pois, invocarão aquele em quem não creram? e como crerão naquele de quem não ouviram? e como ouvirão, se não há quem pregue? E como pregarão, se não forem enviados? como está escrito: Quão formosos os pés dos que anunciam o evangelho de paz; dos que trazem alegres novas de boas coisas.

3. Rm 11.13,25,27: Porque convosco falo, gentios, que, enquanto for apóstolo dos gentios, exalto o meu ministério; Porque não quero, irmãos, que ignoreis este segredo (para que não presumais de vós mesmos): que o endurecimento veio em parte sobre Israel, até que a plenitude dos gentios haja entrado. E esta será a minha aliança com eles, Quando eu tirar os seus pecados.

4. Gl 1.15.16: Mas, quando aprouve a Deus, que desde o ventre de minha mãe me separou, e me chamou pela sua graça, Revelar seu Filho em mim, para que o pregasse entre os gentios, não consultei a carne nem o sangue.

Gl 3.8: Ora, tendo a Escritura previsto que Deus havia de justificar pela fé os gentios, anunciou primeiro o evangelho a Abraão, dizendo: Todas as nações serão benditas em ti.

5. Ef 3.8: A mim, o mínimo de todos os santos, me foi dada esta graça de anunciar entre os gentios, por meio do evangelho, as riquezas incompreensíveis de Cristo.

6. Cl 1.23: Se, na verdade, permanecerdes fundados e firmes na fé, e não vos moverdes da esperança do evangelho que tendes ouvido, o qual foi pregado a toda criatura que há debaixo do céu, e do qual eu, Paulo, estou feito ministro.

7. 1Tm 2.5-7: Porque há um só Deus, e um só Mediador entre Deus e os homens, Jesus Cristo homem. O qual se deu a si mesmo em preço de redenção por todos, para servir de testemunho a seu tempo. Para o que (digo a verdade em Cristo, não minto) fui constituído pregador, e apóstolo, e doutor dos gentios na fé e na verdade.

1Tm 3.16: E, sem dúvida alguma, grande é o mistério da piedade: Deus se manifestou em carne, foi justificado no Espírito, visto dos anjos, pregado aos gentios, crido no mundo, recebido acima na glória.


24 de fevereiro de 2017

MISSÕES EM SALMOS E ISAIAS

Verbete 826

1. Sl 2.8: Pede-me, e eu te darei as nações por herança, e os fins da terra por tua possessão.

Sl 22.27-29: Todos os limites da terra se lembrarão, e se converterão ao Senhor; e todas as famílias das nações adorarão perante a tua face. Porque o reino é do Senhor, e ele domina entre as nações. Todos os que na terra são gordos comerão e adorarão, e todos os que descem ao pó se prostrarão perante ele; e nenhum poderá reter viva a sua alma.

2. Sl 67.1,2: Deus tenha misericórdia de nós e nos abençoe; e faça resplandecer o seu rosto sobre nós (Selá). Para que se conheça na terra o teu caminho, e entre todas as nações a tua salvação.

3. Sl 72.8-11,17: Dominará de mar a mar, e desde o rio até às extremidades da terra. Aqueles que habitam no deserto se inclinarão ante ele, e os seus inimigos lamberão o pó. Os reis de Társis e das ilhas trarão presentes; os reis de Sabá e de Seba oferecerão dons. E todos os reis se prostrarão perante ele; todas as nações o servirão. O seu nome permanecerá eternamente; o seu nome se irá propagando de pais a filhos enquanto o sol durar, e os homens serão abençoados nele; todas as nações lhe chamarão bem-aventurado.

4. Is 2.2,3: E acontecerá nos últimos dias que se firmará o monte da casa do Senhor no cume dos montes, e se elevará por cima dos outeiros; e concorrerão a ele todas as nações. E irão muitos povos, e dirão: Vinde, subamos ao monte do Senhor, à casa do Deus de Jacó, para que nos ensine os seus caminhos, e andemos nas suas veredas; porque de Sião sairá a lei, e de Jerusalém a palavra do Senhor.

Is 11.9-12: Não se fará mal nem dano algum em todo o meu santo monte, porque a terra se encherá do conhecimento do Senhor, como as águas cobrem o mar. E acontecerá naquele dia que a raiz de Jessé, a qual estará posta por estandarte dos povos, será buscada pelos gentios; e o lugar do seu repouso será glorioso. E há de ser que naquele dia o Senhor tornará a pôr a sua mão para adquirir outra vez o remanescente do seu povo, que for deixado, da Assíria, e do Egito, e de Patros, e da Etiópia, e de Elã, e de Sinar, e de Hamate, e das ilhas do mar. E levantará um estandarte entre as nações, e ajuntará os desterrados de Israel, e os dispersos de Judá congregará desde os quatro confins da terra.

5. Is 45.22,23: Olhai para mim, e sereis salvos, vós, todos os termos da terra; porque eu sou Deus, e não há outro. Por mim mesmo tenho jurado, já saiu da minha boca a palavra de justiça, e não tornará atrás; que diante de mim se dobrará todo o joelho, e por mim jurará toda a língua.

Is 49.6: Disse mais: Pouco é que sejas o meu servo, para restaurares as tribos de Jacó, e tornares a trazer os preservados de Israel; também te dei para luz dos gentios, para seres a minha salvação até à extremidade da terra.

6. Is 60.3: E os gentios caminharão à tua luz, e os reis ao resplendor que te nasceu.

7. Is 66.18: Porque conheço as suas obras e os seus pensamentos; vem o dia em que ajuntarei todas as nações e línguas; e virão e verão a minha glória.

- Pequena Enciclopédia Temática da Bíblia
- Pr. Gesiel Nunes Gomes

22 de fevereiro de 2017

O DESERTO DE MOISÉS

por Marcos Soares

Amigos, há muitos anos comprei um CD do Don Francisco (Come Away), em cuja capa ele mencionava o fato de que o deserto foi muito importante na vida de grandes homens de Deus. Abraão, Jacó, Moisés, Davi, Elias, João Batista, Elias, Felipe são alguns exemplos. Desde então venho meditando nessa verdade. Já percebeu como esses cidadãos foram afetados por esses momentos de aridez, solidão, reflexões profundas e muito sol na jaca?

O deserto é pedagógico. Não foi à toa que Deus levou essa galera acima da média para uma temporada de areia e calor. O importante não é ver porque nem como eles entraram, mas como foi que eles saíram dele. Veja o caso de Moisés. Aos quarenta anos, ele achou que estava pronto para a vida, que sabia tudo e que podia tornar-se um grande libertador. Tinha noção exata da sua origem, era forte como um touro, bem treinado na arte da guerra, influente e justo. Mata o egípcio, porque oprimia a um do seu povo e esconde-o na areia. Quando a coisa aperta, ele foge. Para onde? Para o deserto de Midiã. Ali, além de arrumar um casamento, arrumou também um emprego cruel (comparado à vida de príncipe candidato ao trono da maior potência mundial de seus dias, o fabuloso Egito): cuidar de ovelhas no escaldante solzinho do deserto. O grande pregador D.L.Moody dizia que Moisés passou quarenta anos achando que ele era alguém; depois passou outros quarenta anos aprendendo que ele não era ninguém; finalmente viveu quarenta anos vendo o que Deus é capaz de fazer com um ´ninguém´. Sempre achei isso fantástico.

O deserto “baixa a nossa bola”. Quando o encontramos aos oitenta anos, não conseguimos mais ver os traços da prepotência anteriormente registrada. Quarenta anos afastado do brilho dos holofotes e das festas do palácio tinham tornado Moisés um homem que tinha dificuldade até para se comunicar. Há quem afirme que o “ser pesado de língua” signifique nada menos do que gagueira. O homem tinha perdido a capacidade de falar normalmente. Imaginem o príncipe outrora engomado agora com a pele grossa, turbante na cabeça e gago. Nada no meio das riquezas e glamour do Egito poderia ter feito com que ele baixasse a bola. O deserto conseguiu. Levou quarenta anos, mas conseguiu.

O deserto ajusta nossa perspectiva do tempo. Afinal, acredite, quarenta anos no deserto demoram muito, mas muito mais do que quarenta anos no palácio! São os mesmos anos de 365 dias, mas a sensação térmica torna cada dia muito mais longo. Quanto valem quarenta anos num deserto? Deve chegar uma hora em que o tempo não passa mais. Tudo vira uma coisa só. Todo dia é o mesmo sol, a mesma sede, a mesma solidão, o mesmo tudo. São tempos em que esperar pelo amanhã chega a ser difícil. Dias melhores não são esperados. Apenas dias iguais. E assim, vivendo um dia depois do outro, assando os miolos sob o sol de zênite, tudo fica tão parecido que quando uma sarça começa a arder sem se queimar, não tem como não ser notada. Se estivesse no palácio, Moisés poderia ter pensado que era só uns fogos de artifício da próxima festa de Faraó. No deserto, onde impera a monotonia de dias arrastados, vira um acontecimento único e espetacular.

O deserto pode ser um santuário. Quando Moisés se aproxima da sarça, Deus manda que ele tire as surradas sandálias de pastor de ovelhas e explica: “este lugar agora é terra santa”. Mas há alguns instantes não era. Era apenas um lugar onde ovelhas pastavam. Quando Deus se manifesta, a aridez do deserto vira um templo de glória, onde se tem que pisar com respeito e reverência. E pode ter certeza: se quando estamos nos palácios da vida não damos muita importância para isso, depois de quarenta anos no deserto, a gente se prostra com o rosto em terra e fica com medo até de levantar a cabeça, porque a experiência é indescritível, inesquecível e incomparável.

Posso confessar? Gostaria de dizer que desertos são desafiadores e atraentes. Gostaria de prometer que não há nada mais gostoso na vida do que viver anos a fio debaixo do sol implacável, longe da água fresca e do conforto, com uma umidade relativa do ar abaixo dos 20%. Gostaria de garantir que as noites, pelo menos, são curtas e amenas. Mas aí vem um frio desgraçado. Tem bicho perigoso, serpente, escorpião e feras. Desertos são terríveis e desesperadores. Desertos são o pior lugar do mundo para se viver. Ninguém tira férias no deserto, a não ser que consiga levar uma estrutura móvel que lhe permita enfrentar as adversas circunstâncias. Nossos amigos não nos visitam, nem telefonam nem mandam e-mail para lá. A coisa é tão complicada que a gente não fica sabendo de nada, nem quando nossos inimigos mortais morrem primeiro que nós, como foi o caso do Faraó que já não podia mais perseguir Moisés, porque já estava no sarcófago.

A questão é que do palácio saem bad-boys e do deserto saem grandes homens de Deus. Do palácio saem sucessores de Faraó e do deserto saem servos que podem conduzir o povo de Deus a grandes conquistas. Do palácio sai gente fazendo justiça com as próprias mãos e do deserto sai um homem com as tábuas da perfeita lei de Deus. O negócio, então, é pedir graça e misericórdia para que a gente consiga suportar o deserto da vida sem murmurar, sem desistir, sem xingar e sem escapar pelos fundos.

http://www.irmaos.com

17 de fevereiro de 2017

NOTÍCIAS DA INDIA

Irmao Isac​, ​
​A Paz do Senhor Jesus.
Com muito alegria estamos enviando mais uma noticia do campo Missionário. Deus abençoe você​s​ pelas sua​s​ orações, cooperações​ e apoio nessa Missão na Índia.
Forte abraço.
Pr Peter e Pra Cristina


16 de fevereiro de 2017

O MISSIONÁRIO E AS DOUTRINAS BÍBLICAS



As Escrituras apresentam 10 importantes doutrinas, que alguém as denominou de Doutrinas Tronco. Não raras vezes o Missionário não sabe distingui-las em sua própria Bíblia. Graças aos comentaristas, aos livros escritos por eles, por onde você pode notar o esforço dispensado às pesquisas, à oração, é que estão à sua disposição variadas fontes, por onde o assunto é explanado meticulosamente, tornando agradável a sua leitura e estudo.

Todo Missionário precisa conhecer as doutrinas das Escrituras. Comecemos por conhecer seus nomes:

01. Doutrina das Escrituras - Bibliologia
02. Doutrina de Deus - Teologia
03. Doutrina de Jesus Cristo - Cristologia
04. Doutrina do Espírito Santo - Pneumatologia
05. Doutrina da Igreja - Eclesiologia
06. Doutrina dos Anjos - Angeologia ou Angelologia
07. Doutrina do Homem - Antropologia
08. Doutrina do Pecado - Hamartiologia
09. Doutrina da Salvação - Soteriologia
10. Doutrina das Últimas Coisas - Escatologia

Você não precisa decorar esses termos. É preciso, sim, entendimento e prática de cada conteúdo. A meditação e o estudo o capacitarão a ser um bom Missionário!

Nos intervalos das postagens que venho fazendo aqui no blogue, entremos juntos com este assunto, estudando, pelo menos, um pouquinho de cada doutrina! Até!

Isac Rodrigues



14 de fevereiro de 2017

MISSIONÁRIOS DA BÍBLIA

Verbete 825
MISSIONÁRIO
Missionários da Bíblia



1. Noé, 2Pe 2.5
- E não perdoou ao mundo antigo, mas guardou a Noé, a oitava pessoa, o pregoeiro da justiça, ao trazer o dilúvio sobre o mundo dos ímpios

2. Jonas, Jn 3.2,3
- Levanta-te, e vai à grande cidade de Nínive, e prega contra ela a mensagem que eu te digo.
- E levantou-se Jonas, e foi a Nínive, segundo a palavra do Senhor. Ora, Nínive era uma cidade muito grande, de três dias de caminho.

3. Filipe, At 8.5
E, descendo Filipe à cidade de Samaria lhes pregava a Cristo.

4. Paulo, At 13.1-3
- E na igreja que estava em Antioquia havia alguns profetas e doutores, a saber: Barnabé e Simeão chamado Níger, e Lúcio, cireneu, e Manaém, que fora criado com Herodes o tetrarca, e Saulo.
- E, servindo eles ao Senhor, e jejuando, disse o Espírito Santo: Apartai-me a Barnabé e a Saulo para a obra a que os tenho chamado.
- Então, jejuando e orando, e pondo sobre eles as mãos, os despediram.

5. Pedro, At 15.7
- E, havendo grande contenda, levantou-se Pedro e disse-lhes: Homens irmãos, bem sabeis que já há muito tempo Deus me elegeu dentre nós, para que os gentios ouvissem da minha boca a palavra do evangelho, e cressem.

6. Apolo, At 18.24
- E chegou a Éfeso um certo judeu chamado Apolo, natural de Alexandria, homem eloquente e poderoso nas Escrituras.

7. Jesus, Jo 3.16,17
Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.
Porque Deus enviou o seu Filho ao mundo, não para que condenasse o mundo, mas para que o mundo fosse salvo por ele.

- Pequena Enciclopédia Temática da Bíblia
- Pr. Gesiel Nunes Gomes

13 de fevereiro de 2017

PEQUENOS ESBOÇOS SOBRE MISSÕES


Alguns pequenos esboços sobre Missões da Pequena Enciclopédia Temática da Bíblia do Pr. Gesiel Nunes Gomes.
Deixe seu comentário!
..............

Verbete 824
MISSIONÁRIO
Cristo, o Missionário modelo

1. Lc 4.18.43
- O Espírito do Senhor é sobre mim, Pois que me ungiu para evangelizar os pobres. Enviou-me a curar os quebrantados de coração,
- Ele, porém, lhes disse: Também é necessário que eu anuncie a outras cidades o evangelho do reino de Deus; porque para isso fui enviado.

2. Lc 8.1
- E aconteceu, depois disto, que andava de cidade em cidade, e de aldeia em aldeia, pregando e anunciando o evangelho do reino de Deus; e os doze iam com ele.

3. At 10.38
- Como Deus ungiu a Jesus de Nazaré com o Espírito Santo e com virtude; o qual andou fazendo bem, e curando a todos os oprimidos do diabo, porque Deus era com ele.

4. Jo 7.29; 8.42; 17.3
- Mas eu conheço-o, porque dele sou e ele me enviou.
- Disse-lhes, pois, Jesus: Se Deus fosse o vosso Pai, certamente me amaríeis, pois que eu saí, e vim de Deus; não vim de mim mesmo, mas ele me enviou.
- E a vida eterna é esta: que te conheçam, a ti só, por único Deus verdadeiro, e a Jesus Cristo, a quem enviaste.

5. Lc 4.23
- E ele lhes disse: Sem dúvida me direis este provérbio: Médico, cura-te a ti mesmo; faze também aqui na tua pátria tudo que ouvimos ter sido feito em Cafarnaum.

6. Jo 3.17; 5.36,38
- Porque Deus enviou o seu Filho ao mundo, não para que condenasse o mundo, mas para que o mundo fosse salvo por ele.
- E por esta causa os judeus perseguiram a Jesus, e procuravam matá-lo, porque fazia estas coisas no sábado.
- E a sua palavra não permanece em vós, porque naquele que ele enviou não credes vós.
...................
Visite a nossa página do Cevide

8 de fevereiro de 2017

QUEM SÃO OS MENOS EVANGELIZADOS DO BRASIL?

Deus chamou toda a Igreja para proclamar todo o Evangelho em todo o mundo. Há ainda mais de 2.000 povos no mundo sem o conhecimento do Evangelho, cerca de 3.000 línguas sem um verso bíblico em seu idioma e 2 bilhões de pessoas que não conhecem o Senhor Jesus.

No Brasil há oito segmentos reconhecidamente menos evangelizados, sendo sete socioculturais e um socioeconômico. 

1. Indígenas
Com 117 etnias sem presença missionária e sem o conhecimento do Evangelho (1). Estas etnias, com pouco ou nenhum conhecimento de Cristo, espalham-se por todo o Brasil com forte concentração no Norte e Nordeste (2). 

2. Ribeirinhos
Na bacia amazônica há 37.000 comunidades ribeirinhas (3) ao longo de centenas de rios e igarapés. As pesquisas mais recentes apontam a ausência de igrejas evangélicas em cerca de 10.000 dessas comunidades (4). 

3. Ciganos (sobretudo da etnia Calon)
Há cerca de 700.000 Ciganos Calon no Brasil (5) e apenas 1.000 se declaram crentes no Senhor Jesus. Os Ciganos espalham-se por todo o território nacional nas grandes e pequenas cidades, vivendo em comunidades nômades, seminômades ou sedentárias.

4. Sertanejos
Louvamos a Deus por tudo que tem ocorrido no Sertão nos últimos 10 anos – centenas de assentamentos sertanejos evangelizados e muitas igrejas plantadas. Há, porém, ainda 6.000 assentamentos sem a presença de uma igreja evangélica (6). 

5. Quilombolas
Formados por comunidades de afrodescendentes que se alojaram em áreas mais ou menos remotas nos últimos 200 anos. Há possivelmente 5.000 comunidades quilombolas no Brasil, sendo 3.524 oficialmente reconhecidas (7). Estima-se que 2.000 ainda permaneçam sem a presença de uma igreja evangélica (8). 

6. Imigrantes
Há mais de 100 países bem representados no Brasil por meio de imigrantes de longo prazo com uma população de quase 300.000 pessoas (9). Dentre esses, 27 são países onde não há plena liberdade para o envio missionário ou pregação do Evangelho. Ou seja, dificilmente conseguiríamos enviar missionários para diversos países que estão bem representados entre nós, sobretudo em São Paulo, Brasília, Foz do Iguaçu e Rio de Janeiro. 

7. Surdos, com limitações de comunicação 
Há mais de 9 milhões de pessoas nesta categoria em nosso país e menos de 1% se declara crente no Senhor Jesus (10). Há pouquíssimas ações missionárias especificamente direcionadas para os surdos em todo o território nacional.

8. Os mais ricos dos ricos e os mais pobres dos pobres
O oitavo segmento não é sociocultural como os demais, mas socioeconômico. Divide-se em dois extremos: os mais ricos dos ricos e os mais pobres dos pobres. As últimas pesquisas nacionais demonstram que a presença evangélica é expressiva nas escalas socioeconômicas que se encontram entre os dois pontos, porém sensivelmente menor nos extremos (11). Em alguns Estados brasileiros há três vezes menos evangélicos entre os mais ricos e os mais pobres do que nos demais segmentos socioeconômicos (12).

A Igreja de Cristo foi chamada para ser sal da terra e luz do mundo onde estiver e por onde passar (Mt 28.19). Foi-lhe entregue também um critério de prioridade nas ações evangelizadoras: onde Cristo não foi anunciado (Rm 15.20). É, portanto, momento de orar pelo mundo sem Cristo, por a mão no arado e não olhar para trás.

Ronaldo Lidório

Notas:
1. Departamento de Assuntos Indígenas da Associação de Missões Transculturais do Brasil (DAI/AMTB).  
2. Há 32 etnias indígenas no Nordeste ainda sem presença missionária, segundo pesquisa da Aliança Evangélica Indígenas do Nordeste e AMTB.  
3. Reconhecidas pelo IBGE 2012.  
4. Projeto Fronteiras – pesquisa entre comunidades tradicionais da Amazônia – dados parciais 2014. Associação Evangélica Pró Ribeirinhos do Brasil. 
5. Missão Amigos dos Ciganos – Dados 2014. Associação Evangélica Pró Ciganos do Nordeste
6. Missão JUVEP – Dados 2014.  
7. Fundação Palmares.
8. Os dados são parciais. Pesquisa em andamento pela Associação Evangélica Pró Quilombolas do Brasil.  
9. IBGE 2012: 268.201 imigrantes no Brasil.  
10. IBGE 2014.  
11. IBGE 2010, 2012 e 2014.  
12. Projeção de dados quantitativos por categoria socioeconômica.

Fonte:
http://www.ultimato.com.br

Visite a nossa página do Cevide