7 de julho de 2017


NO MEIO DE BOAS SURPRESAS!




A autêntica obra missionária tem suas agradáveis surpresas. Uma das coisas boas que experimentei quando eu precisava de algo muito importante nos Cursos de Evangelização Ide (Cevide), foi uma oferta que recebi de um leitor do site Cevide.org. O Cevide já havia distribuído muitos e muitos cursos O Caminho da Vida e A Estrela na Janela (adultos e crianças) ao longo de vários anos. Até então não havia, contudo, uma capinha colorida para o curso O Caminho da Vida, que pudesse dar melhor aparência e agradabilidade aos estudos que pessoas interessadas na Palavra de Deus faziam. Foi então que num determinado dia, ao entrar no banheiro de nossa casa, com um desejo imenso em meu coração, fiz uma oração a Deus, pedindo ao Senhor um valor em dinheiro para mandar imprimir as capas coloridas. Horas depois, fui olhar meus emails. Para minha surpresa, lá estava uma mensagem de um leitor de Cevide.org, do Estado de São Paulo, dizendo da sua apreciação ao conteúdo do site e que se sentia tocado por Deus a doar uma oferta especial para os trabalhos do Cevide. Isto me surpreendeu muito. Pude notar o cuidado de Deus para com aquilo que eu estava fazendo. Veja, com aquela oferta, pude imprimir duas mil e quinhentas capas coloridas, de fino acabamento, e ainda imprimir dez mil folhetos, para evangelização. Não seria necessário dizer, que nossas mensagens tem alcançado muitas pessoas no Brasil, e até fora, o que tem me alegrado, e muitos agradecimentos a Deus, no meio de boas surpresas!

Isac Rodrigues

4 de julho de 2017

CRUZADA MUNDIAL DE LITERATURA


A Cruzada Mundial de Literatura é uma organização evangélica interdenominacional que tem como objetivo cumprir o mandamento de Jesus em Mc 16.15. A Cruzada crê que a maneira mais prática de cumprir o mandamento de Jesus é pregando o evangelho na forma de folhetos, em cada casa, em cada rua, em cada vila, povoado ou cidade - até que "toda criatura" tenha recebido a mensagem do amor de Deus.

A CML opera em mais de 170 países, inclusive alguns do mundo marxista e outros de maioria muçulmana. Todo o trabalho é coordenado pelo escritório central em Colorado Springs (Estados Unidos). No Brasil a sede está em São José dos Campos, SP, de onde a Cruzada procura irradiar o trabalho por todo o território brasileiro. Uma característica da Cruzada é o uso de obreiros nacionais em cada país. Ela não envia missionários. Todo esse ideal nasceu no coração do pastor canadense, Jack McAlister, em outubro de 1946. Do Canadá a sede da Cruzada transferiu-se para os Estados Unidos. No Brasil, o trabalho foi estabelecido em 4 de novembro de 1963.

FOLHETOS - Não há necessidade de exaltar o valor da página impressa na obra da evangelização. O que está impresso poderá ser lido várias vezes, por muitas pessoas, em diferentes ocasiões e lugares; poderá ser lido por surdos e ouvido por cegos. Os folhetos procuram atingir adultos, crianças, estudantes, doentes, encarcerados, etc., levando-lhes, a mensagem do amor de Deus em Cristo de forma específica e interessante.



A distribuição dos folhetos é feita basicamente pelas igrejas, as quais, sob incentivo e supervisão da Cruzada, organizam equipes que fazem a cobertura dos bairros e cidades. A Cruzada trabalha com todas as igrejas evangélicas. 0s folhetos são oferecidos gratuitamente às igrejas localizadas em regiões pioneiras (ainda não cobertas pela Cruzada), e a preço de custo às igrejas situadas em regiões já alcançadas pela Cruzada, mas que por iniciativa própria pretendem fazer uma segunda cobertura. Em áreas onde não há igrejas ou onde estas não queiram fazer a distribuição, a Cruzada envia, na medida de seus recursos financeiros, obreiros remunerados para fazerem o trabalho. Esses obreiros são chamados de Cruzados Pioneiros, Semeadores e Promotores.

CURSOS BÍBLICOS - A Cruzada Mundial de Literatura procura acompanhar o novo decidido na sua nova vida. Para isso mantém cursos bíblicos por correspondência para adultos e crianças, procurando assistir com alimento básico todos os que aceitam a Cristo. Os cursos são apresentados em linguagem simples e ao alcance da maioria do povo. Mesmo pessoas já crentes e até professores e obreiros das igrejas, se beneficiam estudando a Palavra de Deus por meio deles. Um certificado ou diploma é dado aos que completam qualquer dos cursos.



CRUZADA DE ORAÇÃO - A obra de Deus há de ser feita sob muita oração para que o Espírito Santo atue nos corações das pessoas que serão evangelizadas. Em todos os países onde a Cruzada está presente, irmãos em Cristo, das várias igrejas evangélicas, se propõem a orar diariamente em favor desse trabalho. O Jornal de Oração é o periódico que transmite as notícias do que vai sendo realizado no Brasil e no mundo por meio da CML.



Endereço para correspondências: 
Cruzada Mundial de Literatura
Caixa Postal, 301
São José dos Campos, SP
CEP 12201-970
site: www.cruzadamundial.org.br

Veja também neste blog:
http://paginasmissionarias.blogspot.com.br/2010/05/cruzada-mundial-de-literatura.html

9 de maio de 2017

Seja um missionário


Na convocação de Jesus, quanto a sua responsabilidade, ninguém está de fora (João 20-21b). Jesus enviou a todos, pois somos salvos com a mesma graça (Judas 5). Como disse Paulo: “Sou devedor a judeus e a gregos…” (Rm. 1: 16). É a Igreja que tem que realizar as obras de Deus. São os líderes que devem oportunizar a todos, reconhecer os que têm um chamado específico (Romanos 10:14-15) e enviá-los ao campo.

Portanto não fique de fora, como um mero espectador. Não se contente apenas em ir morar no céu. Muitos cristãos estão se portando assim. Não chegue lá de mãos vazias. Permita que alguém seja salvo por teu serviço. Pois quem ganha almas, sábio é (Prov. 24:11). Portanto anime-se e faça algo para Deus.

Se estás lutando e tudo parece difícil, ainda que perca alguma batalha, perca lutando. Deus te chamou para fazer missões e você pode fazer sim.

Veja algumas sugestões de como você pode fazer missões

Através da oração – Isto você pode fazer sempre. Na Igreja, na casa, no escritório, no local de serviço, andando, dirigindo… Esteja sempre intercedendo pela obra missionária e por mais obreiros (Mt. 4:35-38).

Através de contribuição – Participe do projeto missionário de sua igreja. Se ela não tem, procure contribuir com alguém. Existem muitos organismos agenciadores de missionários que são muito sérios e que precisam de sua oferta. Adote uma família de missionários ou um filho de um missionário. Vista ou calce ele. Presenteie no Natal, com material escolar etc. Convide ele para uma visita em sua casa.

Visita no campo – Se estás trabalhando e ainda não se aposentou, com certeza, anualmente você tira férias. Os aposentados têm todo o tempo do mundo. Porque não faz uma visita? Venha ter sua própria experiência. Visite primeiro um país da América do Sul, mais próximo. Depois, programe-se para visitar outro país mais distante. Talvez em outro continente.

Traga sua família. É importante que eles visitem o campo também. Se é um líder de um campo ou de um setor, uma congregação ou até de um departamento de seu ministério, organize uma excursão. Tudo vai mudar em sua vida depois desta experiência.

Profisionalmente – Apoie atuando na profissão que você exerce (exemplo: construtor, artesão, na área de saúde; eletricista, técnico de informática, engenheiro…). Com certeza há algum missionário, igreja ou família que precisa da sua ajuda.

Indo para ficar um tempo – Os chamados são distintos. Muitos vão e até não retornam mais. Outros ficam bastante tempo. 7, 10, 15 anos ou até mais. Quem sabe Deus esteja chamando você para ficar um tempo menor? 1 mês, 6 meses, 1 ano, 2 anos… Período em que você será de grande benção no apoio ao campo missionário. Exemplo: se você é um músico ou um ministro de louvor, quem sabe você pode ser um professor? Na base da AMIPOL, em Asunción, precisamos da ajuda destes ministérios.

Conscientização e Motivação Missionária – Às vezes queremos fazer algo, mas nos perguntamos: porque isto ainda não começou? Falta de oportunidade? Até pode ser…. O inimigo da obra missionária “Satanás”, por certo fará tudo para lhe manter parado e colocará muitas barreiras para que seu projeto não tenha êxito e não saia do papel. Ou então para que seja apenas algo muito pequeno, sem expressão em sua igreja, de forma que os recursos nem cheguem ao campo missionário, e quando chegam, chegam de uma forma errada, às vezes investindo em vidas erradas, projetos infrutíferos e terras que não dão frutos.

Nos sentiremos honrados em ter a oportunidade de compartilhar nossas experiências de anos no campo missionário, com o acompanhamento de obreiros autóctones nacionais.
Através de uma de nossas equipes, podemos ajudá-lo na motivação missionária em sua igreja.

Fonte:
https://amipol.wordpress.com/2008/09/16/seja-um-missionario/

17 de março de 2017

Gunnar Vingren e Daniel Berg: os pioneiros das Assembleias de Deus



Da Suécia para os Estados Unidos e daí para o Brasil

Gunnar Vingren e Daniel Berg nasceram em uma época difícil na história da Suécia. Entre 1867 e 1886, quase 450 mil suecos deixaram o país por causa da escassez de alimentos e de empregos. A maioria imigrou para o meio-oeste dos Estados Unidos.

Era a chamada “febre dos Estados Unidos”. Embora a situação tivesse melhorado, Daniel viajou para lá em 1902, com 18 anos, e Gunnar, no ano seguinte, com 24. Os dois se conheceram em uma igreja sueca em Chicago, no ano de 1909, dez anos depois da morte do famoso evangelista Dwight L. Moody, que viveu naquela cidade. A essa altura, Gunnar já tinha feito teologia em um seminário batista sueco e pastoreava uma igreja em Menominee, no Michigan, e Daniel trabalhava em uma quitanda em Chicago. Em uma conferência realizada na Primeira Igreja Batista Sueca de Chicago, Gunnar passou pela experiência do chamado batismo com o Espírito Santo e falou em línguas. A partir daí, começou a pregar a doutrina pentecostal; porém, metade da igreja de Menominee não o quis mais como pastor. Assumiu, então, o pastorado de outra igreja batista sueca, dessa vez em South Bend, na fronteira de Indiana com Michigan, e a transformou em uma igreja pentecostal. Uma de suas ovelhas era Adolf Ulldin, que, pouco depois, anunciou-lhe o que ouvira da parte de Deus a respeito de seu ministério além-mar. Por inspiração do Espírito Santo, Daniel foi visitar Gunnar em South Bend e ali ouviu a mesma profecia, que também foi dirigida a ele. Em obediência à orientação recebida, ambos viajaram para Nova York e lá encontraram, de fato, o navio Clement, que sairia na data indicada por Adolf: 5 de novembro de 1910. Por falta de recursos, compraram uma passagem de terceira classe. Duas semanas depois, com miseráveis 90 dólares no bolso, desembarcaram em Belém do Pará, sem saber uma palavra em português e sem alguém para recebê-los no porto. Assim começou a obra das Assembleias de Deus no Brasil.

Verão de janeiro a dezembro

Enquanto as denominações protestantes históricas começaram seu trabalho na região Sudeste (congregacionais, presbiterianos, metodistas e salvacionistas), no Rio Grande do Sul (luteranos e episcopais) e na Bahia (batistas), a Assembleia de Deus começou no extremo Norte do país. Os missionários pioneiros eram todos suecos, ao contrário do que acontecia da Bahia para o Sul, onde quase todos eram americanos e britânicos.

O Pará é 2,7 vezes maior que a Suécia, que tinha, na época, mais de 5,5 milhões de habitantes. Em vez das precisas quatro estações, com as quais estavam acostumados, Gunnar e Daniel encontraram aqui um verão contínuo. Na Suécia, eles adoravam participar da festa que celebrava a volta do verão, entre os dias 19 e 26 de junho, dançando a noite toda ao redor de mastros com enfeites coloridos. Os dois jovens missionários chegaram ao Pará exatamente quando começou o declínio da economia na Amazônia, devido à queda da produção de borracha, provocada pelos mercados asiáticos.

Gunnar e Daniel eram muito diferentes no aspecto físico e nos dotes pessoais. Cinco anos mais jovem, Daniel tinha muita saúde e resistência física. Era “um ganhador de almas incomum”, como diz Geziel Gomes. Praticava com sucesso a colportagem (venda de Bíblias) e o evangelismo pessoal de casa em casa, quase de ilha em ilha, e “de enfermaria em enfermaria”, quando já tinha 78 anos e estava internado em um hospital na Suécia. Além da mala cheia de Bíblias e folhetos, carregava sempre o violão, ao som do qual cantava hinos em português e em sueco para evangelizar. Em compensação, Gunnar era mais preparado e se tornou, naturalmente, o líder do trabalho. Ele era quem mais pregava, quem mais batizava e quem ia consolidando e ampliando a obra com a organização de novos pontos de pregação e congregações. Morreu trinta anos antes de Daniel, quando faltava um mês e meio para completar 54 anos.

“A mensagem completa do evangelho”

Os missionários evangélicos do século 19 foram, em parte, beneficiados pela chamada pré-evangelização, realizada pela Igreja Católica Romana nos 300 anos anteriores à sua chegada ao Brasil (de 1549 a 1855). Os missionários pentecostais foram muito beneficiados pela evangelização realizada pelos missionários evangélicos nos 55 anos anteriores ao início de seu trabalho (de 1855 a 1910). Em alguns poucos casos, o trabalho das Assembleias de Deus começava com a pentecostalização de uma igreja evangélica já existente, como aconteceu com a Igreja Batista Sueca de South Bend, no início de 1910. Em outros casos, começava com alguns crentes que deixavam suas congregações de origem para abraçar a “novidade” pentecostal. Foi o que aconteceu em Belém do Pará e em muitos lugares por esse Brasil afora, especialmente nos primeiros anos. Todavia, a maior parte da membresia das Assembleias de Deus procedia das trevas da ignorância religiosa e das trevas do pecado e da incredulidade.

Gunnar Vingren, Daniel Berg e a geração de pastores nacionais que surgiu com eles não anunciavam apenas Jesus. Pregavam “a salvação em Jesus e o batismo com o Espírito Santo”. Esta era “a mensagem completa do evangelho”. Tal pregação certamente encontrava guarida entre os cristãos que, à semelhança dos discípulos de Éfeso, nem sequer sabiam da existência do Espírito Santo (At 19.2), por culpa da omissão de seus pastores. Encontrava guarida também entre os cristãos cujos pastores atribuíam toda honra ao Espírito Santo sem, contudo, usar a nomenclatura teológica dos pentecostais.

O folheto de 27 páginas de Raimundo Nobre 

Por certo período houve muito desgaste emocional e de tempo por causa do atrito entre as denominações plantadas na segunda metade do século 19 e as Assembleias de Deus. Houve atitudes precipitadas, exageros e falta de amor de ambas as partes. O encarregado da congregação batista de Belém, Raimundo Nobre, acolheu os dois suecos no porão de sua casa e permitiu a participação deles nos cultos, o que redundou na divisão da igreja. Aborrecido e preocupado com a situação, Raimundo escreveu um folheto de 27 páginas contra a pregação de Gunnar e Daniel, e mandou imprimir 20 mil exemplares, que foram enviados para as igrejas evangélicas de todo o Brasil. Gunnar ensinava que a prova do batismo com o Espírito Santo era falar em línguas. Anos depois, a declaração de fé oficial das Assembleias de Deus amenizou a questão, afirmando que falar em outras línguas conforme a vontade soberana de Deus é evidência do batismo com o Espírito. Da parte dos pentecostais, havia muita ênfase em línguas, revelações, curas e milagres. Daniel chamou de milagre o fato de um peixe ter pulado para dentro do barco quando os passageiros estavam com muita fome.

Cem mil batizados em 36 anos

A primeira igreja pentecostal foi organizada há exatos cem anos, em 18 de junho de 1911, seis meses depois da chegada dos dois suecos ao Pará, com o nome de Missão da Fé Apostólica, o mesmo nome dado por William Seymour à igreja da rua Azuza, em Chicago, cinco anos antes. O nome Assembleia de Deus foi adotado seis anos e meio depois, em janeiro de 1918.

Nenhuma denominação evangélica experimentou um crescimento tão rápido e tão grande como as Assembleias de Deus. Nos quatro primeiros anos (1911-1914) houve 384 batismos “nas águas”. No final da primeira década, a nova denominação estava estabelecida em sete estados das regiões Norte (Pará e Amazonas) e Nordeste (Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco e Alagoas). Na década de 20, os assembleianos ocuparam os demais estados do Norte e Nordeste e começaram o trabalho nas regiões Sudeste (Espírito Santo, Rio de Janeiro e Minas Gerais) e Sul (Paraná e Rio Grande do Sul). Em 33 anos de história (de 1911 a 1944), já estavam instalados em todos os estados da Federação. Na ocasião da 8ª Convenção Nacional das Assembleias de Deus, realizada em São Paulo, em 1947, o Brasil já era contado como o terceiro país em número de crentes pentecostais em todo o mundo, com 100 mil fiéis batizados.

Gunnar Vingren e Daniel Berg

16 de março de 2017

MINISTÉRIOS PÃO DIÁRIO


O ano de 1938 marcou o início de uma grande história para Ministérios Pão Diário. Há mais de 75 anos, um homem de fé começou um programa de rádio chamado Escola Bíblica de Detroit, em Michigan, EUA, para compartilhar palavras sábias e de valor eterno.

O doutor M. R. DeHaan passou a transcrever suas mensagens, a pedido dos seus ouvintes que as usavam como material de estudo. Hoje, anos mais tarde, esta iniciativa ainda alcança inúmeras pessoas ao redor do mundo, servindo com recursos bíblicos, em 57 idiomas e em 156 países.

No Brasil, a tradução e distribuição são feitas desde 1980. Contudo, o escritório foi inaugurado em 2001 e a partir dele, cooperamos com mais 10 países: Argentina, Colômbia, Peru Honduras, México, Jamaica, Guiana, Trinidad e Tobago, Portugal e Espanha.

É SOBRE A FIDELIDADE DE CRISTO… E VOCÊ!
Por mais de 75 anos, temos testemunhado a fidelidade divina na missão de Ministérios Pão Diário. E sabemos que é só por meio de sua cooperação, de sua família, amigos, sua igreja e seu apoio que temos podido compartilhar as boas-novas do amor, graça e perdão de Deus, em todo o mundo.